Show simple item record

dc.contributor.authorGomes Bezerra, Onilda
dc.date.issued2019
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/11191/7294
dc.description.abstractO presente texto faz uma reflexão acerca da paisagem das unidades protegidas no contexto patrimonial enfocando, os parques nacionais brasileiros patrimonios da humanidade. Discorre-se sobre o conceito de paisagem aplicado ao patrimonio natural, reconhecido segundo os princípios e as diretrizes das cartas patrimoniais. Sob esse prisma, compreende-se que a paisagem dos bens naturais relacionase ao aspecto estético da morfologia da natureza, ou seja, a beleza das formas materiais dos processos biológicos e geofísicos. Entretanto ao analisar os parques nacionais a partir da ‘análise de conteúdo’ da documentação oficial da UNESCO e dos organismos de gestão dos parques nacionais brasileiros (Ibama e Icmbio), visando à identificação de seus valores, outros atributos são identificados como relevantes, conferindo-lhe caráter singular. Esses atributos relacionam-se a valores socioculturais referentes a processos humanos do passado e do presente, registrados nesses lugares e/ou sítios. A definição da paisagem dos bens naturais pelo aspecto cênico é uma forma clássica aplicada no âmbito do patrimônio natural ao identificar o valor estético da natureza no processo de reconhecimento de sua significância, que corresponde ao conjunto de valores que lhe são atribuídos. Cotejando a evolução das cartas patrimoniais até os dias atuais, percebe-se que o conceito de paisagem vem ser ampliado e aprofundado com a Convenção Europeia da Paisagem (2000) quando se deixa de enfatizar o caráter estético da materialidade dos bens para incorporar dimensões mais complexas da vida humana e da natureza. A paisagem passa a ser definida como resultado da “ação e interação entre fatores naturais e humanos”, compreendendo-se assim que se trata de uma ‘unidade’ onde reside a complexidade do todo ‘paisagístico’. Concluise que os valores atribuídos à paisagem dos bens naturais vão além da estética da natureza, ao entender que há uma relação estabelecida entre homem e natureza num território biogeofísico específico segundo uma visão fenomenológica.
dc.formatpdf
dc.language.isopor
dc.publisherUniversidad Autónoma Metropolitana (México). Unidad Azcapotzalco.
dc.sourcePaisaje y jardín como patrimonio cultural. Diversas miradas desde México y Brasil, 2019 (ISBN: 978-607-28-1743-2).
dc.subjectPatrimônio natural; Paisagem; Natureza; Valores patrimoniais; Parques Nacionais.
dc.subject.classificationHUMANIDADES Y CIENCIAS DE LA CONDUCTA::CIENCIAS DE LAS ARTES Y LAS LETRAS::ARQUITECTURA::JARDINES Y PARQUES
dc.subject.lccSB484.B7
dc.subject.lcshNational parks and reserves--Brazil.
dc.subject.lcshNatural areas--Brazil.
dc.subject.lcshEnvironmental protection--Brazil.
dc.subject.otherReservas naturales.
dc.subject.otherTierras nacionales.
dc.titleA paisagem como patrimônio nas Unidades Protegidas Brasileiras
dc.typeCapítulo de libro
dc.format.digitalOriginBorn digital


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record

Atribución-NoComercial-SinDerivadas
Except where otherwise noted, this item's license is described as Atribución-NoComercial-SinDerivadas